bloglovin

[POR] “A pressa é inimiga da perfeição” – dizia a minha avó. Mas é a pressa que se faz presente na nossa vida como consumidores. Somos assim porque a nossa vontade tem pressa, já que se ela não é satisfeita naquele exato momento, ela muda. De fato, o que queremos hoje, podemos não querer mais na semana que vem. As tendências surgem e escorrem como água contagiosa pelos nossos olhos, chegam em nossos corações e dominam as nossas almas. E as empresas não estão alheias a esta realidade consumista, cada vez mais elas procuram acelerar a criação e a produção de variados produtos. Para tanto, os profissionais de design devem estar familiarizados com toda esta correria fashion, desde a obtenção de novos tecidos à aprovação do produto final. E foi dada a largada para o design e a produção!  “A pressa é inimiga da perfeição” – diz a minha mãe. Mas a questão é: “como ter aquele vestido que acabou de ser desfilado na última semana de moda para vendê-lo?” Ah, tenho outra questão também: “como identificar se aquele vestido será comprado por nós, os tais consumidores volúveis?” Humm, acho que tenho mais uma: “como captar tendências, já que este trabalho exige um estudo complexo e caro?” Simples: Mudança de foco! As pesquisas de tendência são reduzidas e o centro da atenção passa a ser a pesquisa de consumo. O que nós estamos comprando, o que as grandes empresas de varejo estão comprando se torna o foco. É o que acontece na nossa cultura fast fashion. Bem, “a pressa é inimiga da perfeição” –  diria o departamento de estilo neste momento. Então, uma vez identificado aquilo que a grande maioria (ou será a pequena minoria numa sala cheia de pilha de coisas?) consome, os produtos devem ser desenhados e produzidos. Mas o que é desenhado? O que é criado? Ora, nada ou quase nada! Como a produção é retardada até o momento de se saber o que todos estão vestindo (assim não tem perigo de errar na escolha da tendência), os designers das empresas de varejo tem o compromisso de desenhar diversos produtos rapidamente, o que não abre margem para longo processo criativo! Quantas vezes já compramos, com uma grande satisfação, aquele produto tão parecido quanto ao que vimos nos desfiles? Tenho certeza de que entenderão o que quero dizer se olharem para os meus sapatos. Ah, sim! Tão.. tão… Alexander Wang “inspired”? Sim! É a mesma cor, o mesmo modelo… Afinal, o que tem de inspirado aqui?! E o que deveríamos fazer? As empresas fast fashion confeccionam aquilo que estilistas renomados criam, ou seja, elas são as grandes massificadoras da produção advinda da elite criativa. Como ignorá-las se o estilo e o preço, para muitos, é mais atrativo do tentar entender que a criação de alguém foi apossada por outro? E é assim, meus caros, que todos nós nos submetemos a este sistema: a escolha de nossos suéteres azuis nunca será por acaso. No final das contas, não temos todo o tempo do mundo, especialmente alguns designers, mas a pressa continua tendo a mesma inimiga. Devemos tomar partido?

 

[ING] “Haste is the enemy of perfection” – used to say my grandmother. But the rush is present in our lives as consumers. We are like that because our will is in a hurry, as if it is not satisfied at that moment, it changes. In fact, what we want today, we may don’t want anymore in next week. The trends come and flow like contagious water through our eyes, reaching into our hearts and dominating our souls. And the companies are not oblivious to this reality consumerist, increasingly they seek to accelerate the creation and production of various products. For this purpose, the designers should be familiar with all this rush fashion, since the obtaining new tissues until the approval of the final product. And it was given the start for the design and production!”Haste is the enemy of perfection” – says my mother. But the question is: “how to have that dress just seen in the last fashion week to sell it?” Oh, I have other question too: “how to tell if that dress will be purchased by us, such fickle consumers?” Hmm, I think I have one more: “how to capture trends, since this work requires a complex and expensive study?” Simple: Change of focus! The researches for trends are reduced and the center of attention becomes the consumer research. What we’re buying, what the big retail companies are buying become the focus. This is what happens in our fast fashion culture. Well, “haste is the enemy of perfection” – it would say the styling department, at this time. So, once identified what the vast majority (or it would be a minority in a room full of things?) consumes, the products must be designed and produced. But what is it drawn? What is it created? Almost nothing! Since the production is delayed until the time to know what everyone is wearing (so, there is not so much no risks of making mistakes in the choice of trend), the retail companies’ designers are committed to designing various products quickly, which does not open room for throughout the creative process! How many times have we bought (with a great satisfaction, by the way) some product so similar as to what we saw in the fashion shows? I’m sure you’ll understand what I mean if you look at my shoes. Ah, yes! So… So… Alexander Wang “inspired”? Yes! It’s the same color, same model … After all, what is the inspiration here?! And what should we do? The fast fashion companies manufacture what the renowned designers created, or better, they massify the production coming from the creative elite. How to ignore them if the style and price, for many, is more attractive than trying to understand that the somebody’s creation was taken by someone else? And so, my dear, we are all submitted to this system: the free choice of our blue sweaters will never happen (a mention of The Devil Wears Prada). After all, we do not have all the time in the world, in special some designers, but the hast continues to have the same enemy. Should we take sides?


♣ EU VESTI / I WORE

Jumpsuit: Shop 126 (similar model here and here)

Hat: Shop 126 (here)

Belt: Shop 126 (here, herehere and here)

Shoes: Santa Lolla (scarpin with similar color here)

Bag: ?

 ♣ LOCAL / PLACE: Praça Paris, Rio de Janeiro – RJ

Paris Square's Opening (Brazil) – Cri.