*This post is also dedicated to you, mon ami Bintou. I miss your fashion blog! Bisous. (* Este post é dedicado a você, Bintou. Sinto falta do teu blog de moda! Beijos)

* Fotos de Vogue Itália

Mais um mês que termina para outro começar, porém esse mês foi, para mim, marcante. Uma das coisas que eu mais gostei de ter visto foi o Tributo a Beleza Negra em uma Vogue européia. Ok, não foi um artigo capa de revista como eu esperava que fosse, foi um tanto quanto caricato e sequer falou sobre assuntos sérios concernente a raça, resumindo: foi mais um photo shoot com modelos negras! PORÉM, é Vogue européia, não é? E ter algumas negras estampadas naquelas páginas é um grande acontecimento, ainda que nos dias de hoje! Ademais, outro motivo para não reclamar tanto é o site italiano da Vogue ter a página Vogue Black (ainda não me decidi se penso nisso como descriminação ou boa consideração com a raça negra) com diversas informações sobre o mundo da moda com pessoas negras (ainda não decidi mesmo se isso é muito bom ou muito ruim)! Enfim, com divagações maravilhosas sobre o artigo na Vogue.it, com a palavra a jornalista de moda, escritora e editora Claire Sulmers (vale a pena conferir o seu blog Fashion Bomb Daily):

Com os olhos brilhantes espiando deliciosamente sob enrolado cílios, as maçãs do rosto e mandíbulas de contorno, como se esculpido em pedra afiada, nariz largo e lábios suntuosamente exuberantes, as mulheres negras são, inquestionavelmente, belas.

Um tributo é devido à mulher cujo tom da pele varia entre o alabastro, o mogno e o onix esfumaçado, que pode impecavelmente portar qualquer maquiagem – de ouro polvilhado nas pálpebras ao blush rosa e aos glosses roxo e rosa. Estas páginas homenageiam a mulher versátil, cujo cabelo oscila do extremamente enrolado e ondulado afro, às camadas lisas e ao penteado com o corte pixie em questão de minutos. Para a mulher divina com invejáveis lábios carnudos, fortes dentes brancos e sorriso encantador que tem sido conhecida por eletrificar o coração de muitos. Para a sereia cuja suave e aveludada pele bloqueia o sol, continuando a ser flexível e sem mácula com o passar do tempo.

Variável e diversificada, a beleza negra escapa do simples padrão de beleza. Mas não importa a encarnação – quer seja cor de melaço, café ao leite, bronze, bronzeado ou tingida como areia do deserto – belezas negras irradiam com equlíbrio e esplendor multidimensional. (ENGLISH VERSION)

Ok, divagações a parte (continuo com aquela dúvida), pontinho positivo para a Vogue italiana.

Beijinhos, °ღ•ѕσяяιη∂σ ѕємρяє°ღ.

bloglovin